Lê aí...
Comportamento, Opinião

Ratocorps ou Ratos Corporativos


Ratocorps ou Ratos corporativos, para quem nunca conheceu um, são aqueles funcionários de ouvidos potentes, que ouvem qualquer sussurro, tem olhos esbugalhados, mas, que enxergam cada cantinho do escritório. Com faro, apuradíssimo, farejam uma novidade a quilômetros de distância.

Normalmente são educados, bem vestidos e agradáveis, mas, tudo é jogo de cena, o que eles querem mesmo é… dar-se bem, e em qualquer situação.

Motivam-se pelo prazer da conquista, uma atribuição de maior responsabilidade, um novo cargo, eliminar algum concorrente mais difícil ou até mesmo um desafeto de algum superior hierárquico que ele precisa agradar.

Estão presentes em todas as empresas, sejam elas, pequenas (muito fácil identificar), médias (aumenta o grau de dificuldade), ou grandes (muito divertido e interessante), aliás, quanto maior a empresa, mais roedores.

Nas grandes corporações é um exercício interessante, face, haver um verdadeiro congestionamento de ratos corporativos, cada um trabalhando em seu micro objetivo, e muitas vezes, se confrontando no ambiente profissional e proporcionando cenas hilárias, olho neles, você um dia vai conhecer um.

—————

“Papudimaluco” agradece a colaboração de mais um maluconauta colunista. Nosso amigo LARRY já faz parte do rol dos conceituadíssimos escritores deste humilde blog.

Anúncios

Sobre Gabriel Carqueijo

Contador, 29 anos, Flamenguista e Portelense, pai, marido, filho, irmão e amigo.

Discussão

7 comentários sobre “Ratocorps ou Ratos Corporativos

  1. Aconteceu no Natal
    Colaboradores de uma multinacional confraternizavam num bar, mais um dia de trabalho extra, era um sábado já passando das 15:00h e lógico, após várias rodadas de chopp, alguém precisava ter uma idéia brilhante, e desta vez, eles capricharam. A missão seria nada mais nada menos do que assaltar a “sala da esperança” apelido dado por nela conter material promocional, brindes e souvenires de todos os tipos e com uma qualidade assombrosa. Como em toda idéia brilhante, os detalhes são esclarecidos na medida em que as etapas vão avançando, então os mentores puseram mãos à obra e a missão começava, pelo combinado inicial 2 membros retornariam ao escritório, abririam a sala, e chamariam os demais para iniciarem “a mãe de todas as batalhas”, tudo combinado, inclusive com um Chaveiro local e “amigo”, que fecharia a sala sem deixar vestígios, lógico. Já estavam todos novamente dentro do escritório, sala escancarada, cerveja rolando no local esfumaçado, era uma verdadeira festa, não pelo roubo, não enxergavam assim, afinal não eram ladrões, mas, o ato visava sacanear o guardião da sala, um verdadeiro apaixonado pelos brindes da empresa, vivia presenteando visitantes ilustres com os tais brindes, e diziam até que no prédio onde moravam, os porteiros usavam brindes da empresa, era o dono dos brindes, mas, para os consumidores internos, a lei era outra, muito dura, às vezes beirando a sovinice, já que nem simples canetinhas eram ofertadas a população interna, um grande erro. Muito bem, agora que tinham um motivo nobre para assaltarem a salinha e se divertir com a cara do guardião que ao chegar na 2ª feira se depararia com a sala… V A Z I A , alguns apostavam em desmaio, outros em algo mais grave como depressão e até um infarto, meras especulações. A festa rolava frenética quando um ser estranho adentrou o ambiente e assistia toda a festa, ele já tinha um copo na mão quando disse que era um cliente final da empresa que teria ido resolver problemas de pagamento e entrou, alguém havia deixado a porta aberta, após muita dissimulação conseguiram “convencer” o cliente a retornar na 2ª feira, a falha acabou os deixando mais espertos e menos festeiros, mas, outro susto…batiam a porta, e agora? Seria o cliente de novo? Com cuidado alguém foi até a porta e pelo visor identificou um colega que trabalha ligado diretamente com o guardião, silêncio total…ele insistia, pressentia que havia alguém no escritório e gritava… Queria entrar para pegar o presente de casamento de um amigo que se casaria a poucas horas próximo dali e que ele tinha esquecido…O amigo dele ficou sem presente. Depois de aproximados 50min. E em silêncio sepulcral, os colaboradores ouviram o colega desistir e sair do andar…O pior estava por vir, pois, os escalados para abrir a sala na verdade a arrombaram , destruíram a fechadura e o amigo chaveiro não conseguia consertar, a fechadura foi trocada e os problemas começaram, agora era sim, muito grave, e, a vontade de complicar o guardião saía pela culatra e preocupava a todos, teriam um fim de ano terrível. O que seguiu foi realmente cinematográfico, na 2ª feira o guardião logo pela manhã foi fazer uma de suas visitas diárias à sala, e…a porta não abriu, ele entrava em pânico só porque não abria, mas quando um chaveiro foi chamado e lhe avisou que a fechadura era outra, o caboclo endoidou o cabeção, logo ele, o mais “malandro” tinha levado uma pernada, mas, de quem? Quem ousaria mexer no seu brinquedo? Estrategicamente ele pensou naqueles que mais lhe enchiam o saco, pedindo brindes, e dentre estes estava lá um desafeto seu e na bola 7 com grande rejeição na massa, e que detinha cópias das chaves do escritório e por diversas vezes abriu a salinha e depois ostentava bonés, canetas, pastas, jaquetas, etc.
    Não demorou muito e o final todo mundo já sabe ou já deve ter visto em algum filme americano, quanto aos brindes, ficaram fora de circulação por um bom tempo, nada de comentários a respeito e uma certeza, o preço foi salgado, mas, deve ter valido a pena ver a cara do guardião diante da fortaleza de vento.

    Publicado por Larry Franklin | 02/06/2010, 9:40 am
  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Publicado por Rogerio | 02/06/2010, 10:05 am
  3. Conheço várias ratazanas desse tipo. Tudo com cara de santinho… Bando de safado!

    Em tempo: Que acontecimento de fim de ano, hein Larry? kkkkkkkkkk

    Publicado por gabricarqueijo | 02/06/2010, 11:23 am
  4. Ih Gabri, conheço tb!

    Boa história!!

    Publicado por Gustavo | 03/06/2010, 1:23 pm
  5. Amei…cansada desses parasitas…humpf!

    Publicado por Li. | 03/06/2010, 9:05 pm
  6. Pior do que os Ratocorps são as “Ratacorps”…interpretem como entenderem! rs

    Publicado por Ana Claudia | 03/06/2010, 9:44 pm
  7. Essas não conheço.

    Publicado por Gustavo | 04/06/2010, 10:15 am

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Comentários da galera:

Gilberto rua 18 em IAPI da Penha
Gilberto rua 18 em IAPI da Penha
Gilberto rua 18 em IAPI da Penha
Gilberto rua 18 em IAPI da Penha
Gilberto rua 18 em IAPI da Penha
A fuga – Carta… em IAPI da Penha
Bonecas de soldados… em IAPI da Penha
sonia em IAPI da Penha
marilene oliveira em IAPI da Penha
Helio Serra em IAPI da Penha

É Papuditwitter !!!!

%d blogueiros gostam disto: